Blog

O que deve mudar no setor de supermercado a partir de agora?

Publicado em: 18/06/2020

Com o distanciamento social, as pessoas precisaram rever ou adaptar alguns hábitos, incluindo os de consumo e de compra. Isso quer dizer que os supermercados precisam estar atentos a esses movimentos para que o ponto de venda continue sendo um lugar agradável para a circulação do perfil de cliente mais exigente. As boas práticas dizem respeito tanto ao espaço físico, quanto a estratégias promocionais, a condutas de gestão e cultura.

A seguir, listamos sete tendências no setor de supermercados após a experiência do distanciamento social:

 

  1. O cliente é o protagonista

Todos os colaboradores do supermercado devem trabalhar focados em um único objetivo: proporcionar a melhor experiência para o cliente, a qualquer momento e em qualquer canal. O motivo é simples: diariamente, é ele o responsável pelos lucros do PDV. Para isso, é fundamental investir na autonomia dos colaboradores, mas não sem antes ter certeza de que esses profissionais internalizaram os propósitos da organização. Aqui vale, também, investir no self checkout.

  1. Cresce a valorização pelo comércio local

Com o objetivo de preservar a saúde e contribuir para que os pequenos comerciantes não fossem tão impactados pelas crises do Covid-19, muitas pessoas optaram por fazer compras nas proximidades das próprias casas. A tendência é que esse hábito se solidifique, pelo menos, com relação a alguns itens. O que exigirá que as grandes redes se empenhem para recuperar a atenção total desse público.

  1. Itens de primeira necessidade passam a ser realmente enxergados como tal

Com o prolongamento da restrição para sair de casa, as pessoas tiveram a oportunidade de categorizar o que é um item de primeira necessidade e o que realmente é indispensável para viver. Dentro desse contexto, destacam-se os alimentos. Muitos consumidores, por exemplo, estrearam no preparo dos próprios alimentos ou passaram a cozinhar com mais frequência. Dessa forma, se for o caso, é importante ter na prateleira a opção de itens com a marca do mercado a preços atrativos.

  1. Desacelera o consumo de itens supérfluos

Segundo pesquisa Ibope Inteligência, 89% das pessoas modificaram os seus hábitos financeiros, com 51% delas declarando que diminuíram os gastos. Além disso, 27% do total afirmou que passou a guardar mais recursos, preparando-se para incertezas no futuro. Tudo isso causa impacto direto no consumo de itens menos importantes, como os dos setores têxtil e de eletrônicos, por exemplo. Uma saída para lucrar com a venda desses itens é estabelecer uma estratégia de preço atrativa.

  1. E-commerce ganha novos adeptos

De acordo com dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), o Brasil registrou um aumento de 40% no número de vendas online, com destaque para seis setores: supermercados; calçados; bebidas; eletrodomésticos; autopeças; artigos esportivos; móveis e decoração; e moda. Por isso, é preciso avaliar as possibilidades de ampliar os canais de compra, entendendo que, com eles, deve aumentar também a qualidade no Serviço de Atendimento ao Cliente. Isso é necessário porque, ao acessar novos canais, os consumidores tendem a ter mais dúvidas e dificuldades, aumentando as filas de atendimento e o tempo de espera.

  1. A saúde vira prioridade

Grandes redes já adotaram a prática de entrada controlada por profissionais que medem a temperatura corporal do cliente e higienizam o carrinho ou a cesta que ele irá usar. Além disso, o acesso à loja só é permitido com o uso de máscaras e após o consumidor higienizar as mãos com álcool em gel. No interior do PDV, é solicitado que as pessoas mantenham uma distância mínima entre si. Além disso, em todos os locais onde há necessidade de fila, marcações no chão indicam o distanciamento necessário entre as pessoas. Lembre-se, ainda, que os consumidores estão mais atentos aos cuidados do estabelecimento com regras de higiene, desde o estacionamento e durante toda a experiência de compra.

  1. É fundamental ter um plano de retenção de cliente

Com tanta gente inclinada a fazer compras online, cresce a necessidade de investir na retenção do cliente que decide ingressar no seu PDV. Faça isso por meio de um calendário promocional, do constante mapeamento do perfil do cliente e de promoções que considerem as situações do momento. Não esqueça de manter o cliente informado sobre todas as ações por meio de cartazes padronizados, lembrando que cada modelo tem um objetivo específico.

 

Não há dúvidas de que o cliente que entrou em quarentena encerrará o período de pandemia com um perfil mais atento, exigente e ciente da relevância dos seus hábitos de compra para a economia. Os supermercados que conseguirem se adaptar a essa nova realidade estarão em vantagem.

 

Contato